Paralelo 45

Padrão

A nostalgia da nostalgia.
A dor de lembrar da dor e de não ter como senti-la. Congelamento de sentidos.

O inverno que tempera a alma; descanso e alívio dos nervos.
Perder a vergonha de aprender a ser só.

Ter a sorte de ser transpassada pela espada do Norte.
Crescer em quatro tempos e ser tudo o que se quer.

Quando do verão, despojar-se como o outono.
No inverno, explodir a primavera com a potência de mil sóis num quarto escuro.

Em ti, em mim: pontos cardeais e coordenadas que se fundem em redemoinhos, espirais e suspiros.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s