Arquivo mensal: junho 2012

Quem tudo diz…

Padrão

Infinito mar luar…
Palavras como essas parecem mais nada dizer
pois agora todos falam sem alma.
Por isso
apenas sinta
a imensidão da poesia
no meu silêncio que respira.
A melodia e o sentimento
nas entrelinhas.
A cada intervalo
o meu calor.
O brio e o fulgor
neste ponto que nada detém:
nem do leitor o amor
nem do poeta a dor
da ausência de poesia
neste pobre mundo de verborragia.